Curiosidades da Imigração #45: Sem cartórios, como os imigrantes faziam os registros de nascimento, casamento e óbito?

Série “200 anos, 200 curiosidades da imigração alemã” terá um vídeo por dia, até 25 de julho, com histórias dos imigrantes

O 45º episódio da série “200 anos, 200 curiosidades da imigração alemã” fala daquele que foi um dos grandes desafios nas primeiras décadas da imigração no Rio Grande do Sul: os registros oficiais de nascimento, casamento e óbito dos colonos e seus descendentes.

Como não havia cartório como se tem hoje, as famílias faziam seus registros oficiais nas igrejas, seja católica, seja evangélica. Na Igreja Evangélica o problema não era tão grande porque a maioria dos pastores falava alemão, o que ajudava nos registros.

Já na Igreja Católica era mais complicado, pois muitos padres eram portugueses e não falavam alemão. Com isso, muito nome acabou sendo registrado com letras trocadas. Essa seria a explicação, por exemplo, para o sobrenome Schenaide, que nada mais é do que Schneider escrito de forma equivocada.

O especial “200 anos, 200 curiosidades da imigração alemã” é uma realização do Grupo Sinos com produção do ABCmais, apresentação de Unimed Vale do Sinos, BRDE e Universidade Feevale. O patrocínio master é de Sicredi Pioneira, Prefeitura de Novo Hamburgo, Instituto Ivoti e STV Segurança. O apoio é de Stihl e Senac São Leopoldo.

Fonte: ABC Mais