28/10/2021 – Diário da Região – Com a redução nos casos de Covid, crescem o número de casamentos em São José do Rio Preto

Queda nos casos de Covid-19 e consequente redução das restrições faz crescer número de casamentos em Rio Preto e a busca por profissionais que atuam na realização de festas e cerimônias explode

 

Sonho de muitos casais, celebrar o casamento diante da presença de amigos e familiares voltou a ser possível graças ao avanço na campanha de vacinação e à queda no número de casos de Covid-19. A flexibilização das medidas de restrição deu confiança àqueles que aguardavam para decidir uma data e fez explodir a busca por profissionais que atuam na realização de festas e cerimônias. Em alguns casos, a agenda de 2023 já está quase completa – também como resultado dos eventos remarcados.

 

Entre janeiro e setembro deste ano, o número de casamentos na cidade teve alta de 12% se comparado com o mesmo período do ano passado. Foram 10.506 celebrações no período, enquanto que nos nove primeiros meses de 2020 foram 9.363 registros. O levantamento foi feito pelo Diário com base em dados dos cartórios de Registro Civil. Para os próximos meses, a expectativa é de que esse percentual seja ainda maior.

 

No ramo de decorações para casamentos há 11 anos, a empresária Cintia Cecílio comemora o retorno das celebrações após um hiato provocado pela pandemia. Ela conta que a procura dos clientes segue a todo vapor e atualmente está com 22 festas de casamento marcadas até o fim do ano. “Estamos realizando mais de um evento por dia e temos festas de casamento agendadas em todos os finais de semana até o Natal”.

 

Para dar conta da demanda, foi preciso recontratar os dois colaboradores dispensados no ano passado. Para o ano que vem já são 80 festas confirmadas, sendo que pouco mais da metade são de reagendamentos. “Antes da pandemia fazíamos uma média de 75 casamentos no ano. Mas como a procura continua, acredito que vamos bater 100 eventos. E já estamos fechando datas para 2023”.

 

Cerimonialista há cinco anos, a empresária Valéria Maschio diz que a procura por casais dobrou e que a média de contratos cresceu por volta de 70% em comparação com o período anterior à pandemia. “Está uma loucura, as noivas que precisaram adiar a festa voltaram animadas e novas noivas estão surgindo”.

 

Durante os períodos de maiores restrições na pandemia, a empresária conseguiu fechar contratos para cerimônias menores, com poucos convidados. Mas boa tarde dos eventos precisaram ser reagendados para o fim deste ano e para o ano que vem. “A procura para o ano que vem está grande e já estamos com dificuldade de data. Também já começamos o agendamento das cerimônias para 2023”.

 

A inflação também está afetando o universo dos casamentos, já que o aumento geral de preços influência desde a confecção dos convites até os pratos que serão servidos nos bufês. “Nos contratos reagendados não cobramos reajuste, mas se aplica um reequilíbrio financeiro”, esclarece Valéria.

 

No caso da decoração, os preços estão oscilando, afirma Cintia. “Um botão de rosa que custava R$ 1,25 chegou a ser vendido por R$ 6. Estamos segurando o prejuízo e diminuindo o lucro para manter os contratos”.

 

Bebidas

 

Empresas que atuam com a venda de bebidas especiais para eventos também registram aquecimento no mercado. Em relação ao mesmo período do ano passado, quando estava praticamente tudo parado, a alta é de 70%. Em relação a 2019, antes da pandemia, o aumento registrado é de 10%.

 

Segundo Erica Gonçalves, vendedora da Wine Eventos, que fornece bebidas como vinhos, destilados e outras para drinks, o movimento voltou com força. “Com a alta no dólar, os consumidores estão comprando agora e se programando para a data do evento.”

 

Ela conta que os preços das bebidas importadas tiveram alta entre 5% e 8%. Os consumidores são tanto de festas de casamento quanto as que antecedem o evento, como despedidas de solteiro. “Os vinhos estão vendendo muito”. Sommelier, Erica também presta consultorias quando sobre quais rótulos ou bebidas harmonizam.

 

Maratona de casamentos

 

O fotógrafo Bruno Rossete, também especializado em ensaio de casais, brinca que está preparando o físico para a maratona de eventos que o espera nos próximos meses. “O psicológico já está pronto”, disse. Desde agosto começaram os eventos mais intimistas, mas foi neste mês que a retomada de casamentos maiores foi mais robusta.

 

O profissional está com a agenda lotada pelo menos até agosto do ano que vem e terá que enfrentar quatro casamentos entre algumas sextas- -feiras e domingos. Mas isso não é um problema, até porque ele trabalha junto com a mulher, Mariana Pastore, com quem dividiu as dificuldades da pandemia e agora celebra a retomada. “Estou muito animado e motivado, não vejo a hora de encarar essa maratona”.

 

Agenda cheia até julho

 

Sem performar dede o início do ano, o grupo musical Triô Instrumental Songs voltou a se apresentar durante celebrações de casamento no mês de outubro, após um recuo nas restrições impostas cotra a pandemia.

 

Segundo a pianista Ana Elise Alves Da Fonseca, 32 anos, o grupo foi obrigado a fazer uma pausa na apresentações em casamentos e outros eventos no ano passado. “Fomos tocar apenas em março de 2021. Depois paramos novamente devido aos decretos impostos”, comenta a musicista, que integra o grupo com o violinista Geandro Lucas e o violonista Higor Tofanelli.

 

Mas o retorno dos eventos com o recuo da pandemia está sendo acompanhado pela formalização de mais contratos. “Daqui para frente temos casamentos marcados até julho de 2022”, comenta.

 

A expectativa do grupo é de que os eventos, que foram represados pela pandemia, sejam realizados com mais frequência daqui pra frente, o que pode se transformar em mais contratos para os três. “Acreditamos que a tendência agora é dobrar o número de casamentos marcados. Estamos à disposição e com a agenda aberta para o ano que vem”.

 

Tempo para qualificação

 

A maquiadora Viviane Versani, cujo foco principal de trabalho é o mercado de noivas e madrinhas, está muito animada com o retorno das atividades. Ela conta que durante os piores períodos da pandemia acabou se voltando ao trabalho de design de sobrancelhas e aproveitou para investir em cursos de qualificação. Um deles foi o pele blindada, que é a maquiagem resistente à lágrima, água e atrito. “Foram quase dois anos bem difíceis, com muitas remarcações, dificuldade de conciliar agendas”, diz.

 

E por falar em agenda, a de Viviane está lotada até o mês de janeiro tanto de casamentos que já estavam marcados como de novos. São pelo menos quatro novos. A novidade é que os eventos não se restringem aos sábados. Agora, ocorrem também às segundas, quintas, sextas e aos domingos. “Os casais que não quiseram esperar até 2023, como os profissionais estão sem agenda, optaram por esses dias”, afirma.

 

A expectativa é bastante positiva, mesmo que os preços dos serviços também tenham sofrido reajuste. As maquiagens, importadas, ficaram mais caras, o que refletiu em alta de cerca de 15% no custo para os novos contratos de cabelo e maquiagem.

 

Fonte: Diário da Região

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *