08/06/2021 – TJ/BA – PJBA comemora a adoção de grupo de cinco irmãos por intermédio da vara da infância e juventude de Jequié

Cinco irmãos que viviam no Abrigo Malvina Costa, na cidade de Jequié, localizada a 365 km de Salvador, ganharam famílias substitutas. As crianças, com idades entre 05 meses e 13 anos, foram adotadas por duas famílias: um casal carioca, que acolheu três delas, e um casal soteropolitano, que adotou dois garotos.
A adoção dos irmãos, considerada “necessária”, é motivo de celebração pelo Poder Judiciário da Bahia (PJBA), por meio da Vara da Infância e Juventude da Comarca de Jequié, que tem a Juíza Ivana Pinto Luz como titular, e fez o intermédio de todo o processo.
No último dia 25, o PJBA celebrou o Dia Nacional da Adoção e lançou campanha com o slogan “Adote sem preconceito”, que conta a história de pessoas que decidiram se tornar pais e mães de crianças e adolescentes rejeitados pela maioria dos habilitados. Adoções tardias, de grupo de irmãos, adoção especial e a inter-racial configuram-se como “adoções necessárias”, pois são as menos praticadas.
No caso dos irmãos de Jequié, o casal Rafael e Vitor, que reside no Rio de Janeiro, estava cadastrado no sistema de adoção desde 2017, mas somente em 2021, puderam ser contemplados com o acolhimento.
“Então, nossa história começa no dia 19 de março, quando a foto de três baianinhos lindos, recebida via whatsapp, atinge em cheio o coração dos dois futuros papais cariocas. O grupo de apoio à adoção avaliou tecnicamente nossa indicação à Vara, através de uma equipe multiprofissional. Desde então, além de avaliados, fomos acolhidos, cuidados e preparados”, contou o casal, que adotou três dos irmãos.
Dois deles já haviam sido adotados anteriormente por Rosângela e Reinaldo, soteropolitanos. “No mês de fevereiro, fomos chamados para comarca de Jequié para conhecermos duas crianças do sexo masculino: um com 7 anos, outro com 11. Foi amor à primeira vista! No mesmo instante, solicitamos à juíza alteração de idade do nosso perfil. A experiência com eles foi maravilhosa!”, revelaram.
Inicialmente, o critério de adoção para o casal soteropolitano poderia ser grupos de irmãos, sem distinção de raça/cor, ambos os sexos, com até 6 anos. “Estamos apaixonados, a adaptação foi mais rápida do que o esperado. Eu e meu esposo nunca quisemos visitar orfanatos para não criarmos expectativas; ficamos sempre aguardando ansiosos este dia chegar; quando recebemos a ligação nem acreditamos, ficamos radiantes de tanta felicidade”, continuou Rosângela.
A procura de pretendentes para o grupo de irmãos decorreu da ação de busca ativa no Sistema Nacional de Adoção (SNA) pela Vara da Infância e Juventude da Comarca de Jequié, com tentativas de flexibilização do perfil escolhido, assim como através da colaboração da Associação Baiana de Estudo e Apoio à Adoção – Nascor – Nascidos do Coração.
Vale destacar que as duas famílias adotantes também já tiveram contato presencial, comprometendo-se a manter os vínculos já formados entre os irmãos.
O casal carioca fez o estágio de convivência do dia 10 ao dia 16 de abril, em Jequié, quando receberam a guarda para fins de adoção. Posteriormente, eles ficaram alguns dias em Salvador, quando conheceram os demais irmãos das crianças adotadas. “Tivemos a oportunidade de conhecer os dois outros irmãos dos nossos filhos, que integram uma outra linda família; temos o feliz compromisso de manter o contato entre os cinco irmãos”, afirmaram Rafael e Vitor.
Ambos os acolhimentos foram realizados no atual contexto de pandemia do coronavírus, por essa razão, os primeiros contatos dos postulantes com as crianças ocorreram de forma on-line, sendo mediados pela equipe técnica das entidades de acolhimento de Jequié. “Até nossa ida, do Rio de Janeiro à Jequié, a tecnologia nos permitiu ouvir frases que gradativamente cresciam em afeto e vínculo, como ‘Quando vamos pra sua casa?’, ‘P. H., nós vamos pra casa deles’, ‘Vocês vêm antes da Páscoa?’, ‘Te amo’, ‘Pai… pode chamar de pai?’, ‘Já queríamos estar aí com vocês’; ‘Fico com saudades quando desligamos o celular’, relataram os cariocas.
Fonte: TJBA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.